Menu

Sinpro/Caxias e FeteeSul pedem ao STF vacinação prioritária de profissionais da educação

Não há  possibilidade do retorno das atividades presenciais diante do cenário caótico sem que ocorra a imunização dos professores e funcionários técnicos administrativos da educação

O Sinpro/Caxias e demais sindicatos reunidos na Federação dos Professores, Trabalhadores Técnicos e Administrativos Empregados em Estabelecimentos de Ensino (Fetee-Sul) ingressaram no Supremo Tribunal Federal (STF) na última segunda-feira, 19, com o pedido de admissão como partes interessadas na ação do governo do estado que requer a urgência da vacinação dos professores e demais trabalhadores da educação contra a covid-19.

O requerimento dirigido ao ministro Ricardo Lewandowski, relator da ADPF destaca que  “não há qualquer possibilidade do retorno das atividades presenciais diante do cenário caótico sem que ocorra a devida imunização dos professores e funcionários técnicos administrativos da educação”. Também alerta que a imunização “é a única saída possível, que pode permitir a tranquilidade dos empregadores em manter seus estabelecimentos de ensino em funcionamento (mesmo com o recrudescimento da crise sanitária), dos pais e crianças que se submeterão ao ambiente coletivo escolar e, também, dos trabalhadores que se dedicam a cuidar e educar estas crianças”.

As entidades pediram a concessão da liminar e a cassação das orientações técnicas do Ministério da Saúde que excluem essas categorias dos grupos prioritários.

A vacinação de professores, técnicos-administrativos e demais categorias envolvidas com o processo escolar, propõem, deve respeitar as reservas feitas para a aplicação da segunda dose a todos ao vacinados, dentro dos grupos prioritários pré-definidos e considerando a quantidade de imunizante enviado pelo Ministério da Saúde.

A representação dos trabalhadores pede ainda para o ministro Lewandowski que o estado possa “iniciar imediatamente o processo de vacinação dos trabalhadores da educação ainda que de forma progressiva, especialmente dos que exercem atividades nas etapas em que haja maior risco de transmissão ou maior necessidade de retomada das atividades presenciais”.

Com informações de Extra Classe / Foto Rodrigo Rossi 
Publicado em 23/04/2021 / Assessoria de Comunicação do Sinpro/Caxias